Que cuidados básicos devo ter com o meu cachorro?

O cão é um animal de companhia por excelência, sendo mesmo considerado o melhor amigo do Homem.

Agora que acabou de adquirir um cachorro é importante conhecer o seu novo animal e estabelecer desde logo uma conduta correcta.

O cachorro necessita sempre de alguns dias para se adaptar, sendo necessário deixá-lo explorar o seu novo ambiente. Dar atenção e carinho diminui o stress, mas sem exagerar.

Seja paciente, que aos poucos ele aprende as regras da casa.

O meu cachorro deve ter um espaço só para ele?

O cachorro deve ter o seu próprio espaço: um local calmo e seco com uma cama, recipientes para água e comida, fáceis de lavar e difíceis de destruir (inox) e alguns brinquedos.

Que alimento devo dar ao meu cão?

Hoje sabemos que uma boa alimentação é a base de uma vida saudável e longa.

Aconselhamos o fornecimento de alimentos secos superpremium, apropriados à idade, tamanho em adulto e/ou raça do animal.

Como devo alimentar o meu cachorro?

A hora das refeições é um momento muito importante.

As refeições devem ter horários certos, dependendo o seu número da idade e tipo de cão. Não deixe o alimento sempre à disposição. Uma refeição não deve demorar mais de 15 minutos, se ele não comer guarde a comida e dê-lha na refeição seguinte.

Se o cachorro tiver feito o desmame antes do tempo (menos de 1 mês de idade) devemos alimentá-lo com leite de substituição apropriado.

Depois do desmame, a alimentação deve ser sempre constituída por alimento seco, adaptado ao tamanho, idade e actividade do animal. A quantidade diária vem sempre referida nas embalagens.

Deixar sempre água à disposição.

Que cuidados de higiene devo prestar ao meu cachorro?

O pêlo deve estar sempre liso e brilhante. A escovagem deve ser realizada regularmente para remover os pêlos mortos. Algumas raças exigem um cuidado diário.

Não deve submeter o seu cachorro ao banho nem a outras situações de stress sem indicação do seu médico veterinário.

Quando necessário, o banho deve ser dado com água morna e champôs de qualidade superior. Depois do banho convém secá-lo muito bem, se possível com um secador. O número de banhos a tomar depende do tipo de pêlo, actividade e alojamento do seu cão.

Os olhos devem ser brilhantes e livres de corrimentos. A sua limpeza deve ser diária com uma solução oftalmológica adequada.

Os ouvidos devem estar sempre limpos. Não deve utilizar cotonetes, álcool ou água oxigenada, mas sim produtos de limpeza próprios que se colocam no canal auditivo, retirando o seu excesso com uma compressa de gaze. A frequência das limpezas deve ser no mínimo semanal.

 Devemos começar a habituar o nosso cachorro à limpeza diária dos dentes, com uma escova e pasta próprias.

 

 

 

O corte de unhas é normalmente necessário em cães de raças pequenas. As unhas devem ser cortadas quando o seu tamanho ultrapassa a almofada plantar numa vista lateral. Peça ao seu médico veterinário que lhe ensine.

As glândulas perianais localizam-se de cada lado do ânus. Produzem uma secreção de cheiro forte que é eliminada com as fezes ou em situações de stress/medo. Devem ser vigiadas pelo seu médico veterinário regularmente.

Que cuidados médico-veterinários são necessários para a saúde do meu cachorro?

A vacinação deve ser realizada logo a partir das 5 semanas de vida para evitar as primeiras doenças infecto-contagiosas (Esgana, Parvovirose, Hepatite Infecciosa Canina, Leptospirose, Raiva e Tosse do Canil).

Os cães podem ter dois tipos de parasitas: internos e externos. A desparasitação interna (“remédio das bichas”) deve ser iniciada aos 15 dias de vida, repetir cada 15 dias até aos 3 meses, passando depois a ser mensal até aos 6 meses. A partir daí o cão deve fazer a desparasitação de 3-3 meses. Devemos manter sempre o nosso cachorro protegido de parasitas externos (pulgas, carraças, piolhos, mosquitos e ácaros) utilizando produtos adequados todos os meses.

A castração pode aumentar a esperança média de vida do seu cão. Esta deve ser realizada antes da puberdade mas pode ser realizada em qualquer fase de vida do seu animal.

Quais os cuidados que devo ter com a vacinação?

Nenhum cachorro deve sair à rua enquanto não completar o seu esquema de vacinação;

Nunca atrasar a vacinação do seu cão;

Os animais não podem ser vacinados se estiverem doentes;

Não deixe de vacinar o seu cão só porque não sai à rua.

Que cuidados devo ter quando viajo com o meu cão para fora do Porto?

Sempre que faça uma viajem com o seu cão contacte o seu médico veterinário com 1 mês de antecedência. Existem doenças infecto-contagiosas fora da zona urbana do Porto para as quais existe prevenção específica.

O que é a Identificação Electrónica?

A Identificação Electrónica é o método mais eficaz para fazer a identificação do animal, permitindo a responsabilização dos proprietários e melhorando problemas como o desaparecimento e o abandono dos animais.

 

 

 

Quais as exigências legais que o meu cachorro tem de cumprir?

Em Portugal, de acordo com o Decreto-lei n° 313/2003, de 17 de Dezembro, é obrigatória a colocação de chip em todos os cães nascidos após 1 de Julho de 2008. Cães perigosos ou potencialmente perigosos tal como definidos na legislação específica, cães de caça e cães para fins comerciais e afins são obrigados a ter chip desde 1 Julho de 2004;

É obrigatória a vacinação anual contra a Raiva;

É obrigatório o registo e licenciamento anual na Junta de Freguesia da sua residência.

O passaporte para animais de estimação, ou de companhia, é obrigatório para qualquer animal doméstico que viaje na União Europeia desde o dia 1 de Outubro de 2004.

É obrigatório transportar os animais com cinto de segurança ou dentro de transportadoras no interior de viatura individual;

A deslocação de animais de companhia em transportes públicos não pode ser recusada. Desde que se encontrem em adequado estado de saúde e higiene, sem que apresentem sinais evidentes de doença contagiosa ou parasitária. Desde que sejam devidamente acompanhados, acondicionados e sujeitos a meios de contenção que não lhes permitam morder ou causar danos ou prejuízos a pessoas, outros animais ou bens. Os animais perigosos e potencialmente perigosos não podem ser deslocados em transportes públicos.